Economia Criativa

O que é Economia Criativa?
A Economia Criativa é considerada um dos setores mais importantes da economia na atualidade. As atividades do setor criativo produzem bens tangíveis e intangíveis, intelectuais e artísticos, com conteúdo criativo, gerando riqueza cultural, econômica e social, segundo documento produzido pela Secretaria de Economia Criativa do Ministério da Cultura, em 2011. Grande parte das suas atividades abrangem as áreas da cultura, moda, mídia, design, música e artesanato, os setores de tecnologia e inovação, como o desenvolvimento de softwares, jogos eletrônicos, aplicativos, bem como atividades de televisão, rádio, cinema e fotografia, além da expansão dos diferentes usos da internet. São atividades econômicas que partem da combinação da criatividade com técnicas e/ou tecnologias, agregando valor ao ativo intelectual.

Economia Criativa em São Paulo

A economia criativa tornou-se uma poderosa força transformadora. O comércio mundial de bens e serviços criativos totalizaram um recorde de US$ 624 bilhões em 2011 e mais do que duplicou entre 2002 e 2011, segundo dados da Unesco.

No Brasil, a contribuição dos setores criativos foi de R$ 126,1 bilhões, o que representa 2,7%  do PIB em 2011, segundo estudo realizado pela Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro). O número revela um crescimento de 70% nos últimos 10 anos do setor.
A cidade de São Paulo ocupa uma posição de destaque no cenário nacional: mais de 9% de suas empresas dedicam-se a algum tipo de atividade criativa, empregando 140 mil pessoas em 2009, o que representa 3% de todo emprego formal da cidade, segundo o estudo “Economia Criativa na Cidade de São Paulo: Diagnósticos e Potencialidades”.

Embora exista imensa potencialidade de desenvolvimento, os empregos formais ligados à economia criativa ainda se concentram nos centros econômicos tradicionais – e menos nas periferias da cidade, onde poderiam beneficiar principalmente mulheres e jovens. É aqui que entra o trabalho da Adesampa. Desde sua criação em 2013, a Adesampa adotou como um dos seus pilares a Economia Criativa de Base Comunitária, que visa criar políticas públicas para estimular o protagonismo de empreendedores criativos em territórios vulneráveis da capital paulista.